Boletim de CEAJ

Boletim # 12

Steyl – October de 2010

SSpS / SVD / SSpSAP
 


 

          Calorosas saudações da Equipe do Centro de Espiritualidade Arnaldo Janssen (CEAJ) em Steyl: Emmie Vas e Aneta Kolodziejczyk SSpS, Peter McHugh, Mike Somers, Renato Gnatta e Peter Dusicka, SVD

 

          Que o seu envolvimento no ministério de animação espiritual possa continuar a encher você de alegria e produzir muito fruto.

 

 

O ELETRÔNICO: ajscsteyl@gmail.com

Por favor, use este endereço para comunicar-se com CEAJ.

 

CONTEÚDOS:

 

1.    BOAS NOVAS – Dois novos membros

2.    CEAJ -  Celebra 20 anos – 15 de janeiro 1990 – 2010

3.    CEAJ - Seus membros durante estes anos

4.    CEAJ   - A Geração Fundante

5.     Preparação para os dirigentes de Retiro de 30 Dias

6.    Notícias das Províncias

7.    Publicações

8.    Mantendo contato

 

 

 


 

 

 

1. BOAS NOVAS – Dois novos  membros do CEAJ se apresentam:

 

Renato Leite GNATTA. Nasci no sul do Brasil. Meus pais tinham uma fazenda onde eu fui criado com meus três irmãos e duas irmãs. Entrei na SVD com 22 anos e fui ordenado sacerdote em 1991. Fui enviado em missão para Ghana, onde tive minha primeira inserção em uma nova língua e cultura

Ajudei numa paróquia e aprendi muito com o povo. Depois de 5 anos voltei para o Brasil e trabalhei na animação vocacional/missionária durante cerca de 3 anos.Um novo capítulo de minha vida começou no ano 2000.  Foi novamente um tempo de crescimento, viver e trabalhar com os jovens. Durante este período dei alguns cursos de preparação em espiritualidade e nos fins de semana fiz trabalho pastoral com os pobres das comunidades de áreas rurais. Agora, depois de 9 anos na formação inicial, fui convidado a participar da Equipe de Espiritualidade em Steyl e trabalhar na formação permanente. Novos desafios se apresentam e  creio que somente aprofundando nossa espiritualidade seremos capazes de levar em frente nossa missão, como o fez a geração fundante.

 

Peter DUSICKA. Sou natural da Eslováquia. Depois de emitir os votos perpétuos em 1994 comecei a trabalhar na formação. Isto foi até 2004. Primeiro, acompanhei os postulantes por 1 ano, depois os seminaristas por 3 anos e finalmente os noviços. Durante minha atuação na formação trabalhei em seminários para retiros dirigidos e pude oferecer vários cursos para nossos confrades e para as Irmãs SSpS. Além disso, também dei retiros pregados. Antes de começar com meu ministério no noviciado em 2000 fiz o curso de 9 meses no Instituto para Formação Religiosa em Chicago. Nos últimos 6 anos fiquei servindo na administração de nossa Província Eslovaca.

Minha nomeação para o CEAJ é para mim  um convite,  não só para me enriquecer na espiritualidade de nossa Família Arnaldina, mas também porque isto será  um canal através do qual  Deus Uno e Trino vai continuar transformando este mundo em Seu Reino.

 

2. CEAJ -  Celebra 20 anos – 15 de janeiro 1990 – 2010

 

A idéia de começar o AJSC  (CEAJ) surgiu em 1988, no Capítulo Geral SVD:  “Estabelecer em Steyl um Centro não só para pesquisa na herança espiritual de Arnaldo Janssen e a Sociedade do Verbo Divino, mas também para animação espiritual de seus membros.”   As SSpS e as SSpSAP concordaram em participar. No dia 15 de janeiro de 1990 o CEAJ foi inaugurado oficialmente em S. Miguel, Steyl. Henry Heekeren e Ir. Agada Brand encabeçaram a Equipe de 3 SVD, 3 SSpS. Uma SSpSAP atuava como  membro de ligação.

 

Os objetivos do CEAJ determinados pelo Generalato eram:

(1)            animar e assistir os membros na vivência de nossa espiritualidade missionária;

(2)           encorajar e coordenar os esforços das comunidades locais na busca de nossas raízes;

(3)           ajudar pessoas leigas a viver a espiritualidade missionária de Santo Arnaldo e engajar-se em atividades missionárias;

(4)           promover o estudo da nossa herança espiritual.

 

     A meta da Equipe era formar equipes de animação Espiritual (SATs) nas diversas Províncias. Trabalhar sistematicamente com SATs não foi sempre fácil, porque vários membros SAT receberam outras tarefas e se afastaram, etc. Todavia, muito foi alcançado em termos de  renovação pessoal e comunitária. Foi gerado muito interesse sobre o nosso Fundador e  Geração Fundante. Nas três congregações há um forte desejo de sermos uma só Família Arnaldina, partilhando em comum o carisma e a espiritualidade. Talvez o desenvolvimento mais importante durante esses 20 anos seja a crescente convicção de nossa animação espiritual como prioridade. Todos os recentes Capítulos Gerais têm enfatizado esta prioridade e encorajado a cooperação com o CEAJ.

Os objetivos permaneceram basicamente os mesmos, contudo os meios de os atingir precisam de se desenvolver. Nossas Congregações  e o mundo mudaram.  Mais ênfase está sendo colocada na colaboração territorial ou continental, e alguns de nós sentem que a animação espiritual deveria ser coordenada por equipes em nível da Língua territorial ou continental. Depois de várias consultas com a Equipe CEAJ e algumas Províncias SVD-SSpS, Conselhos Gerais decidiram, em janeiro de 2010, que a atual estrutura do CEAJ deve continuar por mais 2 anos.  Este período será usado para  maiores reflexões e consultas e assim “continuar a discernir sobre a estrutura que melhor vai servir às direções futuras.”

 

3. CEAJ - Seus membros durante estes anos

 

Têm sido membros do CEAJ em Steyl as seguintes SSpS e os SVD:

 

SSpS:  Irmãs  Agada Brand, Clarette Ramirez, Shanti Chakumkunnel. Maria Virgínia Gette, Carol Welp, Franziska C. Rehbein, Gracy Antony,  Matilde Sacardo, Emmie Vas, Maria Cristina Avalos, Aneta Kolodziejczyk.

S V D : Henry  Heekeren, Antonio B. Pates, Jos Vazhail, Peter McHugh, Cyprianus Setyawan, Mike Somers, Simon Bata, Renato Gnata, Peter Dusicka.

Três membros do CEAJ  já se juntaram à Geração fundante no céu: Henri Heekeren, a 14 de dezembro de 2004, Cyprianus Setyawan, em 11 de outubro de 2005; Clarette Ramirez em 29 de maio de 2006.

 

4 . CEAJ   - A Geração Fundante

 

Dois pioneiros CEAJ partilham suas lembranças dos primeiros anos.

A –    Ir. Agada Brand    (AJSC 1990 – 1996)

DE VOLTA ÀS RAÍZES PARA REVIGORAR A VIVÊNCIA

 DE NOSSO CHAMADO HOJE

 

De volta às raízes! – eis a convocação do Vaticano II e, portanto, também de nossas Congregações. Constatação e decisão do Capítulo Geral da SVD em 1988: por causa da Missão é urgente reler e aprofundar nossa Espiritualidade e Carisma para vivê-los no HOJE, com convicção e determinação. Por isso, a necessidade de um Centro de Espiritualidade - algo a ser feito juntamente com as duas Congregações femininas, - esta era a proposta.

 

E a história de um projeto comum de nossas três Congregações começa e lentamente se põe a caminho. Recolhem-se propostas, sugestões, opiniões referentes aos objetivos de tal Centro, possibilidades, nome, etc - e, 08 de Dezembro de 1989, no Centenário das SSpS, os três superiores gerais assinam o Documento de Intenção. No mesmo mês reúne-se um grupo de sete Verbitas e sete Servas em Steyl para um primeiro planejamento, buscando caminhos de como concretizar um projeto tão importante quanto ambicioso e desafiador: Como chegar aos membros de nossas três Congregações espalhados pelos cinco continentes, e contudo, aprofundar nossas origens e cultivar uma espiritualidade contextualizada?

 

Dia 15 de janeiro de 1990 foi a data da Fundação Oficial do Centro de Espiritualidade Arnaldo Janssen (CEAJ), porém, até setembro daquele ano, somente Pe. Henrique Heekeren e eu estávamos no Centro. Ao longo de 1990 formou-se uma equipe central internacional de seis SVD e SSpS para dinamizar este projeto e, em janeiro de 1991 iniciaram os primeiros programas em Steyl buscando preparar uma estrutura que tornasse viável o projeto, atingindo todos os continentes.

 

Muitas dúvidas e questionamentos surgiam de todos os lados: Um Centro em Steyl? Por que em Steyl? O que Steyl ainda tem a nos oferecer hoje? Vamos desenterrar o passado para nos orientar no hoje? Outros diziam: “Estes não têm o que fazer... Deixe-os cavar no passado... Ou: O que eles fazem e nos trazem, isto nós já sabemos e temos... E assim por diante.

 

Exigiu muita persistência e convicção quanto ao valor e importância de levar em frente tal projeto, pois além de ser extremamente desafiador, nos deparamos com a quase total falta de material em outras línguas. Os originais em sua maioria só existiam em alemão quando, com exceção de um membro da equipe central, todos os outros eram de outros continentes. E, nesta altura de nossa história, os membros de nossas Congregações, em sua maioria, eram de outros continentes. Por um bom tempo eu mesma me perguntava: “Por que estou gastando meu tempo aqui, com este projeto, em vez de estar na África, meu campo de missão?”

 

Porém, houve províncias de nossas Congregações, em países diversos, que se abriram com confiança e maior rapidez ao convite de participar neste projeto de conhecer mais profundamente o que moveu e sustentou nossa Geração Fundante a empreender tamanha Missão, em tal época e em tais circunstâncias. Assim surgiram as Equipes de Extensão nas províncias que, junto com a Equipe Central, fariam o projeto chegar às províncias. Para formar estas equipes, foram oferecidos uns dez programas de um mês, alguns em Steyl e em províncias de outros continentes. Depois, a Equipe Central manteve um constante contato com estas equipes para acompanhá-las e apoiá-las em seus esforços. Ao final de um destes programas, uma SSpS muito comprometida com a Missão declarou que segundo ela, era suficiente estar bem engajada na Igreja Local, porém agora ela se dava conta que isto não basta; é preciso fazê-lo como verdadeira SSpS, vivendo com convicção nossa Identidade, Espiritualidade e Carisma.

 

Como acontece com todo o processo espiritual, o Centro foi avançando muito lentamente, mas aos poucos foi despertando um crescente interesse para conhecer mais a fundo o que, de fato, deu origem às nossas Congregações e sua Missão. Com isso, também começou a surgir a necessidade de termos material disponível nas mais diversas línguas. Felizmente, foram surgindo SSpS e SVD capazes de produzir material e com conhecimento das diversas línguas que se dispuseram a elaborar o material necessário ou a traduzir para que fosse impresso e enviado às provincias.

 

Outro fruto da atuação do CEAJ foi o grande interesse dos participantes dos cursos de renovação (Terciatos) que começaram a pedir mais tempo para estar em Steyl, para conhecer mais de perto e melhor onde tudo nasceu e onde viveu a Geração Fundante... E, já em 1999, as SSpS decidiram transferir seu Terciato para Steyl, a pedido das províncias. Um conhecimento maior dos inícios e mais tempo para estar para um contato direto com os lugares e a história, sem dúvida, ajuda a reler tudo no hoje, uma exigência se quisermos viver em FIDELIDADE CRIATIVA o que herdamos de nossa Geração Fundante.

 

Descobrimos aos poucos que temos em nossas origens uma Geração de grandes santos/as que, à primeira vista, parecem ser as pessoas menos idôneas possíveis para tal projeto. Mais uma vez, Deus confunde nossa sabedoria humana e faz surgir um grande projeto através de homens e mulheres considerados totalmente incapazes para tal. Com isso, descobrimos também que Steyl, lugar remoto e insignificante, ainda hoje tem muito a nos oferecer... Lá descobrimos, tocamos e experienciamos algo da vida, vibração e paixão da Geração Fundante em tornar conhecido, amado e glorificado o Deus-Trindade, de tal forma que também nós nos sentimos impulsionados a apropriar-nos deste mesmo espírito e paixão. 

 

Para mim pessoalmente, os sete anos passados no CEAJ, em Steyl, participando desde os primeiros passos, não só me ajudaram a conhecer nossa Espiritualidade e Carisma, nossa Congregação e a Geração Fundante, mas, sobretudo, me fizeram descobrir a sua grandeza: tão simples e despretensiosa, mas tão profundamente enraizada neste Deus Trindade e Sua Missão! Isso fez surgir em mim um profundo amor e admiração por eles, e fortaleceu meu amor, minha convicção e paixão pela Missão vivida por eles.

 

Após vinte anos de existência do CEAJ, e tendo acompanhado nossa Congregação nossa Congregação durante doze anos como coordenadora geral, posso realmente dizer que valeu a pena todas as lutas, os esforços e buscas desde o início até hoje. Estou convencida de que necessitamos continuar estes esforços em todas as nossas províncias / regiões, porque cada dia enfrentamos novos desafios em nossa vida missionária exigindo novos passos, porém não podemos perder o contato com nossas raízes, nem deixar de reler e contextualizar nossa Espiritualidade e Carisma.

 

 

Pe. Tony Bom Pates  -  (AJSC    -     1991- 2.004)

 

NO PRINCÍPIO

 

Meu aprendizado no começo do ASJC.   Revejo meus anos no ASJC com gratidão e alegria. Foi uma experiência privilegiada estar no começo com Pe. Henry Heereken e os outros membros da Equipe. Eles me enriqueceram por suas personalidades únicas, experiências de vida, riqueza cultural e partilhas espirituais. Lembro-me da especial inauguração do ASJC no dia 15 de janeiro de 1990, em Steyl.  Uma celebração simples, na sala junto com “Voorde”, um movimento de homens e mulheres comprometidos no serviço  daqueles que perderam o sentido de sua vida.  Muitos esperavam uma celebração litúrgica solene para inaugurar o AJSC. Mas foi com um simples gesto que  celebramos este começo de uma ousada aventura de buscar, com o Espírito Santo, modos criativos de estar a serviço do povo.

O começo do AJSC foi, de fato, desafiante, desde que era totalmente novo, tanto para a Equipe quanto para a comunidade de S. Miguel, em Steyl.  Nossa Congregação não tinha sistematizada a nossa tradição espiritual, como as Ordens antigas.  De repente um grupo internacional de SVD e SSpS se viram sentados naquela casa – para quê? Dificuldades não falavam – aprender novas línguas, adaptação a climas diferentes, interação na vida e no trabalho, novos programas criativos, etc. Contudo, a porta estava aberta para uma nova aventura.

Depois de muitas consultas uma visão começou a emergir, focada na continuidade da animação espiritual de todos os membros à luz de nossa Trinitária espiritualidade missionária.  Esta animação tinha que acontecer em níveis locais, provinciais e regionais, e isto requeria formação de Equipes de Animação Espiritual nas Províncias.

A partir desta estreita visão, eu me vi numa ousada jornada de adaptação, aprendizado, prontidão para ouvir, criatividade, partilha – em uma palavra, “synergismo”, como processo dinâmico interativo, de discernir qual  a melhor resposta para tal situação.  Aprender a viver e trabalhar como uma equipe de homens e mulheres foi um desafio -  partilhar quem somos, planejando e facilitando programas, complementando, um ao outro através de nossos dons pessoais. Nosso trabalho em equipe foi muito apreciado como um testemunho efetivo. Esta é uma das riquezas do carisma que temos como uma família religiosa de homens e mulheres a serviço de uma missão comum.

Outro aprendizado que eu  estimo foi o de produzir programas para preparar  animadores espirituais nas Províncias.  Esta ação criativa foi muito enriquecedora através do trabalho em equipe, juntando recurso pessoais e ‘insights’ e expressando isto num programa dinâmico.

Dar poder a outros para ser animadores espirituais como uma equipe, permanece uma das primeiras tarefas do AJSC.

            Meus anos no AJSC me levaram a apreciar mais nossa Geração Fundante que ousou, por amor,  responder com a Palavra e o Espírito ao chamado dos tempos, uma inspiração para mim e para todos nós.  Trabalhar diariamente com nossos confrades, nossas Irmãs e nossos outros parceiros leigos, abriu-me para a riqueza  da nossa Família Arnaldina, feita de indivíduos chamados, amados e enviados por Deus hoje. A história da vida pessoal de cada um revela o único toque do amor de Deus, e como pequenas peças de um mosaico, juntas, formam um quadro admirável do corpo vivo de uma Congregação chamada a testemunhar e servir a Missão de Deus.

    Minha esperança pessoal e minha oração para a Equipe do AJSC é que todos os membros possam crescer e caminhar juntos como uma Equipe, capacitando outros nesse ministério de animação espiritual como membros da Família Arnaldina, junto com nossos parceiros leigos. Que o Espírito Santo Criador continue ardendo em vocês, como na Palavra do Senhor:” Eu vim trazer fogo à terra, e como desejo que   isto comece logo!” (Lc 12,49)

 

5 .  Preparação para os dirigentes de Retiro de 30 Dias

 

Em muitas Províncias o Retiro de 30 dias é dado no noviciado (SVD) ou durante a preparação para a profissão perpétua (SSpS),  seguindo o método inaciano. Esta tem sido geralmente uma experiência  positiva. Mas desde que  a finalidade deste retiro é fortalecer a própria identidade como SVD ou SSpS,  muitos perguntaram por que não oferecer uma experiência similar, mas  com nosso próprio modo de ser  missionários como foco. Não se trata de  ‘melhorar’ os exercícios inacianos, mas antes desejar focalizar nos elementos de nossa própria espiritualidade. Além disso, os membros poderiam também, ser muito beneficiados  pelo retiro de 30 dias,  num tempo mais tardio. O “Manual para Superiores SVD encoraja este fato. (4,1.3) Preparar mais Irmãs e confrades pára acompanhar retiros poderia promover este fato.

 Assim, a finalidade do seminário, junto com o projeto AJSC-Nemi era elaborar um retiro de 30 dias baseado em nossa própria espiritualidade, e assim capacitar os participantes a dar tais retiros assim como os outros retiros mais curtos ( 6 ou 9 dias).

Houve 23 participantes:

12 SSpS e 11 SVD trabalhando em 8 países.

O coração do seminário foi  a Jornada de retiro de um mês com a estrutura e sequência baseados nos elementos chave de nossa espiritualidade, isto é, a consciência de ser:

# enraizado e fundado no amor de Deus como Pai-Mãe,  revelado por Jesus e derramado pelo Espírito Santo;

# chamados a seguir Jesus na vida dos votos e em comunidade para e na missão;

# conduzidos e fortalecidos  pelo Espírito Santo, para partilhar na  ‘missio dei’    no diálogo e em situações de fronteira.

Nossa espiritualidade é centrada  no mistério da SS. Trindade, levando todos os povos em sua comunhão de vida.

Nós fomos cativados no envio da Palavra de Deus e do Espírito Santo.

 

O dia de retiro se desdobra em duas fases:

 

Fase   I – Origem e Fundação de nossa Vida Religiosa Missionária. Enraizada e fundada no

                amor de Deus Trino que perdoa.

Fase  II – A Pessoa de Jesus que nos chama a segui-Lo.

Fase III – Um em seu amor  de total auto-entrega.

Fase IV – Enviados pelo Senhor Ressuscitado, empossados (tomar posse) por seu Espírito:

                 “Contemplatio in Missione”.

O retiro foi seguido de um seminário de 1 semana para apoiar  os participantes a entender a estrutura e a sequência de um retiro.

Para os 23 participantes foi  uma experiência pessoal profunda. “Uma das melhores experiências que a vida pode me oferecer.”  “Foi o programa certo para mim; tempo para saciar minha sede.”  “Uma frutuosa e enriquecedora experiência”  Outros comentários partilhados com idêntica satisfação com a realização do seminário.  Ter este programa em Steyl, com suas raízes históricas, ajudou consideravelmente. “Steyl não é somente um lugar de oração, mas também é uma ‘oração’ em si mesmo”, escreveu um participante SVD.

      Mas os frutos não devem permanecer apenas no nível pessoal, embora isto seja muito importante. Esperamos que os participantes sejam capazes de partilhar concretamente algo de seu entusiasmo nas suas Províncias de origem. Depois de discutir os resultados do seminário, na Semana Unida em julho, os dois Generalatos enfatizaram a necessidade de tudo ter um acompanhamento. Eles também nos deram um ‘mandato’ para pensar em organizar um seminário semelhante, em espanhol e em português.

 

6.  Notícias das Províncias

 

Pe. Gregory Arockiam, SVD  coordenador nacional do CEAJ na Índia narrou um frutuoso encontro anual do CEAJ  no início deste ao. Além de narrar o que foi feito,

eles discutiram planos sobre os seguintes tópicos:

1.       Animação espiritual para os confrades na 1ª Profissão;

2.      Colaboração entre SVD e SSpS;

3.      Animação espiritual em diferentes estágios da formação;

4.      Partilhar a espiritualidade de Arnaldo Janssen com os

leigos.

Eles planejaram  preparar e distribuir bom material de leitura sobre a nossa espiritualidade. Para mais informações, fazer contato com Gregory; gregarikiam@yahoo.com

 

7.  Algumas Publicações

 

a.  Brothers Newsletter.  Hermano Bela Lanyi SVD de Cebu, Filipinas, envía ese folleto en inglés. El próximo número será sobre “Brothers’ Leisure Time”.

b.  Recibimos también The Voice of the Brothers, editado por Hno. McDaniel Acquaah de la casa de formación de Hermanos en Ghana. Contacto:  mcdanielgh@yahoo.com

 

 

8. Mantendo contato

 

Você pode ler e transcrever o material  no  folder AJSC que está na  área pública do website SVD

 

Se você tem material (artigos ou módulos de programas) que possam ser usados no trabalho de nossa animação espiritual, por favor, mande para nós e nós podemos enviá-lo pela internet, de modo que outros possam ter acesso a esse material.    ajscsteyl@gmail.com

 

 

Aguardamos algo vindo de você.

 

Emmie, Aneta, Peter McH., Mike, Peter D., Renato

O Noticiário do AJSC é enviado em versões de cinco línguas: inglês, alemão, espanhol, português e indonesiano.